Ilha do Pico e a sua montanha vulcânica omnipresente

15

A montanha do Pico dá nome à ilha. São cerca de 2 351 metros acima do nível do mar o que torna esta formação a terceira maior numa ilha do oceano atlântico.

As vacas pululam literalmente por toda a parte numa pose serena e compenetrada no seu modo de vida.

Fomos à casa da montanha onde os caminhantes se registam e acompanhados via GPS.

Aqui ficam as fotografias seleccionadas num lote de dezenas onde o fascínio por uma das mais belas paisagens de Portugal é patente.

A Plantação de Ananás dos Açores

1158

Na Plantação de Ananás dos Açores, um delicioso recanto localizado a poucos minutos do centro de Ponta Delgada, na Ilha de São Miguel, os visitantes são levados a embarcar numa viagem pela história e cultura da produção centenária que dá origem ao melhor ananás do mundo: o Ananás dos Açores! Visitar as estufas de ananases, venda de ananás, os melhores produtos regionais e inúmeras iguarias confeccionadas tendo como principal ingrediente o fruto-rei. Visite-nos!

fonte: https://ananasdosacores.pt/plantacao/

Ponta delgada

10

Cidade de Ponta Delgada na ilha de São Miguel nos Açores.

História do Concelho

Por Fátima Sequeira Dias

Uma perspectiva histórica da cidade de Ponta Delgada

Ponta Delgada foi elevada a cidade, no reinado de D. João III, conforme reza a carta régia de 2 de Abril de 1546, depois da primeira capital da ilha – Vila Franca do Campo – ter sido devastada pelo terrível terramoto de 1522.

A historiografia celebra o século XIX como a época áurea da cidade de Ponta Delgada e da ilha de S.Miguel, pela prosperidade económica, graças à exportação de citrinos para o Reino Unido, e pelo cosmopolitismo, graças à fixação de numerosos comerciantes estrangeiros, nomeadamente de inúmeras famílias judaicas, a partir de 1818. A imitação do gosto inglês ficou, então, patente na plantação de jardins ao gosto romântico – como os de António Borges, José do Canto, Jácome Correia e Visconde Porto Formoso (actual Universidade dos Açores) -, na construção de belíssimos palacetes e no “embelezamento” progressivo da urbe, com a proibição da deambulação de animais nas ruas, a abertura de novas ruas, a localização do cemitério público no extremo Norte da cidade e a periferização dos mercados do peixe, do gado e das frutas.

Graças à importância da actividade mercantil, Ponta Delgada era, então, considerada a terceira cidade do país, em riqueza e em número de habitantes. Recorde-se, por exemplo, a surpresa do poeta Bulhão Pato, traduzida nas suas Cartas, com a extraordinária riqueza dos proprietários das quintas de laranja – os gentlemen farmers – senhores da terra e da especulação do solo urbano, exportadores de laranja e de milho, banqueiros e usurários, industriais e armadores – que faziam do investimento emblemático e simbólico do espaço, uma forma privilegiada de afirmação económica e de estratégia de reprodução social.

No início do século XX, Ponta Delgada ainda se encontrava em oitava posição no seio do universo urbano português. No decurso das últimas décadas, porém, o crescimento urbano em Portugal, por força da acelerada industrialização e da perda de importância da economia rural – à semelhança do se tinha verificado no mundo desenvolvido, desde os inícios de oitocentos -, veio contribuir para que não só crescesse o número de cidades, como aumentasse a população urbanizada a nível nacional, e, nesse sentido, Ponta Delgada, tomando por base o critério do número de habitantes, com os seus menos de cinquenta mil habitantes, foi “atirada” para o ranking das pequenas cidades portuguesas.

Ponta Delgada, contudo, nunca deixou de ser a primeira do arquipélago pela riqueza gerada, pelo número dos seus habitantes, pelo seu inestimável património, pela sua importância cultural e pelo seu cosmopolitismo.

Original: https://www.visitpontadelgada.pt/ponta-delgada/geo_artigo?geo_article_id=2487

Apontamentos da chegada.